"The Birds of America", as 435 aves de Audubon

Lesser yellowlegs
 
Em meados de 1830 um homem perambulava pela América do Norte em busca das aves que habitavam o vasto território dos Estados Unidos da América. O objetivo era desenhar todas as aves da América do norte. Se foi possível retratar todas as aves, não se sabe, mas, pelo menos, 435 delas emprestaram sua beleza para o The Birds of America, (As Aves da América), o grande projeto de vida do ilustrador John James Audubon. A obra continha 435 estampas produzidas pelas margens de rios, lagos e matas e mostravam com detalhes impressionantes as formas e cores das aves norte americanas. As imagens das aves de Johm James, decorou salões da nobreza Européia, e foi parar até nos luxuosos aposentos do rei Jorge VI do Reino Unido, fato que lhe rendeu popularidade, e um grande prestígio científico à sua obra.
O gosto por retratar suas aves na natureza, era o que o diferenciava de outros grandes ilustradores científicos que preferiam fazer o mesmo através da observação de um exemplar taxidermizado. E talvez, foi essa peculiaridade que lhe rendeu o cunho de naturalista. Para a natureza, no entanto, não havia diferença entre a técnica de Johan James e a daqueles que preferiam a taxidermização, pois entre papéis e outros materias de desenho, ele levava uma espingarda com qual matava um exemplar da ave que queria desenhar. A ave morta era sustentada por arame na posição mais correta para a observação, onde era mantida até o final de seu desenho.
Publicidade



O valor artístico de sua obra e seu talento para as artes pode ser confirmado pela análise de suas gravuras, que hoje são relíquias muito bem guardadas. No entanto, para verificar seu valor científico é preciso voltar há um tempo remoto, quando “ecologia” era palavra de pronúncia rara no vocabulário da humanidade. Mais precisamente, tal termo seria usado pela primeira vez pelo cientista alemão Ernst Haeckel em 1869, quase duas décadas depois da morte de Audubon. O sacrifício de um animal não era para simplesmente desenhá-lo, era feito em nome da ciência, e pelo bem da natureza. Deve se lembrar que naquele tempo não havia outro modo. Vivendo há dois séculos da era digital, o único jeito de se retratar uma ave com a objetividade proposta pela ciência era mesmo à custa da morte de um exemplar, e de um dom incontestável para a arte. Apreciadas na época em seu formato original (99 x 66 cm), era através das gravuras dele que a ornitologia tomava conhecimento de espécies de aves que viviam embreadas nas matas das mais distantes regiões da América do Norte.
Ainda que a técnica usada para a construção de sua obra pareça rústica e desagradável, não se pode negar que havia em John uma paixão incomun pela natureza, em especial pelas aves, e nem tampouco diminuir a grande contribuição dada para a ornitologia daquele tempo. Prova disso é que, em 26 de abril de 2011, quase 200 anos após sua morte, um grande veículo de comunicação prestou-lhe uma homengem confirmando assim a sua importância. Contudo, prevalece uma dúvida: seu trabalhou é lembrado dois séculos depois pela contribuição dada a arte ou a ciência? Essa é uma questão de pouco valor diante da grandeza de sua obra. Para a arte ficou a contradição entre o prazer em apreciar a beleza de seus quadros e a tristeza de saber que a ave pintada fora morta. Para a ciência fica a lição de o quanto custa caro aprender, pois hoje, se por um lado, se pode fotografar uma ave com riqueza de detalhes infinitas vezes superior sem que seja nessesário sacrificá-la, por outro, algumas das 435 espécies desenhadas por John James Audubon não conseguiram esperar por essa tecnologia, e se não fizesse parte de trabalhos como o The Birds of America, teriam desaparecido sem deixar registro de sua existência na História.
Da esquerda: Carolina Wren - Da direita: Great Blue

Brown Pelican
Hooded Merganser



Labrador Duck

Leachs Petril

Bald Eagle
 
Da esquerda: Santhil Crane - Da direita: Red Throated







Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

3 comentários:

IGREJA ASSEMBLÉIA DE DEUS SEMEAR disse...

Deus criou a natureza com muita perfeição!
Ainda bem que a ciência e o homem evoluiram!
Parabéns pelo Blog Folha do Bicho! Muito bom seu conteúdo.

Super Links disse...

Muito interessante esta postagem!

A Internet no Brasil realmente precisa de postagens de qualidade como estas que você está nos oferecendo.

Conheça também o novo agregador Super Links que está bombando na internet: http://www.superlinks.blog.br

Divulgue seus links gratuitamente sem necessidade de cadastro, sem fila de espera, tenha seus links divulgados em nosso site, Facebook e Twitter e receba centenas de visitas diarias.

Anônimo disse...

Adooooorei o texto e as imagens! Parabéns pelo Blog!!

Postar um comentário

FOLHA DO BICHO | by TNB ©2010 | Adaptações
  • Posts
  • Comments
  • Feeds